A maturidade do Big Data

          Ultimamente tenho participado de vários painéis sobre o tema Big Data, e, destas discussões, acabamos pegando alguns insights interessantes. Se pedirmos para 20 pessoas em uma sala uma definição de Big Data, teremos pelo menos 21 ou mais resposta.

          Na prática, Big Data significa muitas coisas para muita gente. O conceito ainda não está claro, mas algumas pesquisas começam a mostrar que o tema já está entrando no radar de muitas empresas, e alguns casos de sucesso já pipocam aqui e ali. Um estudo que recomendo lerem é o “Analytics: the real-world use of Big Data”, feito pela IBM em parceria com a Said Business School da Oxford University, ouvindo 1144 profissionais de negócios e de TI, em 95 países. Dá uma boa visão do status atual do uso de Big Data.

          Analisando seu conteúdo identificamos que pelo menos 2/3 das empresas pesquisadas sentem que Big Data oferece um potencial muito grande para a criação de vantagens competitivas. Outro dado interessante é que apenas 28% das empresas estão desenvolvendo projetos piloto ou tem algum projeto já em andamento. Neste último caso são apenas 6%! Destes, 47% ainda está estudando o assunto, começando a desenhar estratégias para seu uso, e 24% nem começou. Estão só observando o mercado e tentando separar o hype da realidade. Realmente é um tsunami em alto mar, pouco perceptível da costa, mas que vai chegar com muita força, arrastando negócios estabelecidos, além de criar oportunidades para outros novos e inovadores modelos de negócios.

          Também chama a atenção que os projetos iniciais são liderados pela área de TI, mas à medida que o conceito se entranha na organização, fica claro que Big Data não é um punhado de tecnologias, mas de conceitos que envolvem tecnologias, processos e pessoas, que permitem repensar o “como” as decisões tomadas dentro das empresas. Abre um novo olhar sobre o mundo e a empresa e nos permite fazer novas perguntas, que antes nem pensávamos que poderíamos ao menos fazer. Quando o conceito amadurece nas empresas, o sponsorship passa de TI às funções de negócios, muitas vezes até mesmo patrocinado pelo CEO. Neste momento pode surgir a figura do CDO, ou Chief Data Officer, ligado diretamente ao CEO.

          Mas, existem barreiras. Como o desconhecimento dos conceitos, falta de expertise e ferramentas adequadas, falta de uma estratégia bem delineada, o que acaba concentrando os esforços no nível tecnológico. Já cheguei a testemunhar um acalorado debate sobre se a melhor alternativa seria o Hadoop ou não. E os questionamentos – O que vocês querem com Hadoop? Qual o objetivo de negócio – não obtiveram resposta.

          Um aspecto que tem passado meio batido, principalmente devido à imaturidade do Big Data, é a questão de privacidade e os limites éticos que as empresas devem considerar antes de começar a coletar e analisar dados a torto e a direito. Na verdade, quando pegamos dados isolados e os agrupamos, conseguimos quebrar a “anonimização”. Alguns trabalhos mostraram que, pegando data de nascimento, gênero e código postal em bases de dados abertas e públicas, os pesquisadores conseguiram identificar 87% das pessoas.

          O uso indiscriminado de mídias sociais, onde informações simples como, por exemplo, “estou em férias”, pode aumentar o risco de roubo à propriedade. É sempre bom lembrar o que publicamos na Web jamais vai embora…

          Uma recomendação relacionada às discussões de uso de Big data deve passar por estas questões, envolvendo não apenas as áreas de TI e negócios, mas também RH, gerenciamento de risco e jurídico. O produto deve ser um “guideline” do código de conduta, do que será aceitável eticamente na empresa. Não é fácil, pois algumas questões, como privacidade, são muito fluídas. Além disso, dados que a geração anterior considerava de cunho pessoal, a geração digital espalha sem receios pelas mídias sociais.

          Difícil fazer previsões, mas em 2013 o tema já está bem palpitante e acredito que, nos próximos 2 a 3 anos, veremos mais e mais casos de sucesso, quando os projetos de prova-de-conceito mostrarem seu valor para o negócio. Esperar o trem sair da estação pode ser tarde demais. Recomendo que as organizações comecem a pensar seriamente em Big Data e planejar projetos piloto que validem o conceito e aplicabilidade no negócio. Afinal, a sociedade gera 2,5 quintilhões de byes diariamente, e uma ínfima parcela disso pode ser extremamente importante para uma empresa… E, claro, disputar acirradamente os poucos profissionais que realmente dominam o conceito e aplicações de Big Data.

          Fonte: IDGNOW 

          Deixe seu comentário

          Nome*

          Email* (não será publicado)

          Site